Letras são como estrelas, a guiar o viajante disperso, a uma praia, porto, lugar qualquer, onde possa raiar o dia, onde almas, mentes, corações, possam se encontrar, viver um espaço de beleza maior...

30 de mar de 2012

FLUIR COM A VIDA



Dá-me essa mão e dançaremos;
dá-me essa mão e amar-me-ás.
Como uma só flor seremos,
como uma só flor e nada mais.

O mesmo verso cantaremos
e ao mesmo ritmo dançarás.
Como uma espiga ondularemos,
como uma espiga e nada mais.
                                                                                                                    
                                                                                            Gabriela Mistral

29 de mar de 2012

Águia


Novamente
subo a montanha
 e os picos nevados da alma,
silenciosamente...
Abro minhas grandes asas
e mergulho no espaço sideral...
Mais uma vez a liberdade,
sob a penugem branca e parda
meu coração bate,
em paz...
Como uma águia eu sou
e meus olhos tomam contam de todas as coisas
a que chamam realidade.
Voo por toda a cidade
enegrecida de pensamentos vãos
para alcançar os vales,
percorrer penhascos
e me encontrar sobre o mar,
e o mundo já parece pequeno demais
para as grandes asas do meu ser...

Ana Liliam

25 de mar de 2012

A arte de ser feliz, Cecília Meirelles

 
Houve um tempo em que minha janela se abria

sobre uma cidade que parecia ser feita de giz.

Perto da janela havia um pequeno jardim quase seco.

Era uma época de estiagem, de terra esfarelada,

e o jardim parecia morto.

Mas todas as manhãs vinha um pobre com um balde,

e, em silêncio, ia atirando com a mão umas gotas de água sobre as plantas.

Não era uma rega: era uma espécie de aspersão ritual, para que o jardim não morresse.

E eu olhava para as plantas, para o homem, para as gotas de água que caíam de seus dedos magros e meu coração ficava completamente feliz.

Às vezes abro a janela e encontro o jasmineiro em flor.

Outras vezes encontro nuvens espessas.

Avisto crianças que vão para a escola.

Pardais que pulam pelo muro.

Gatos que abrem e fecham os olhos, sonhando com pardais.

Borboletas brancas, duas a duas, como refletidas no espelho do ar.

Marimbondos que sempre me parecem personagens de Lope de Vega.

Ás vezes, um galo canta.

Às vezes, um avião passa.

Tudo está certo, no seu lugar, cumprindo o seu destino.

E eu me sinto completamente feliz.

Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas,

que estão diante de cada janela, uns dizem que essas coisas não existem,

outros que só existem diante das minhas janelas, e outros,

finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim.

23 de mar de 2012

Dia Mundial da Poesia


No Dia Mundial da Poesia, trago este lindo texto de
Olivaldo Jr, a quem agradeço o envio.
A todos os poetas, parabens por este dia!
Zélia Bauer

 



  
            Não tenho nada que me valha mais do que a Poesia. Dia vinte e um de março, por obra da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), a obra dos poetas tem licença pra passar. Meio porta-estandarte, quase um Dom Quixote, o poeta avança em direção aos seus. Cada filho de Deus tem o dom da Poesia. Quem não faz versos, aprecia-os. Apreciar é fazer, enfim, o seu dia, a poesia.

            Quanta vida sem nada de vida, correndo pelos ralos, como se a vida não valesse mais do que um cifrão num papel que surge ao final do mês! Poesia, muitos dizem, não enche barriga. Mas Poesia, caro amigo, enche a alma. Mesmo que a gente sofra, mesmo que a gente chore, não há de ser nada: sofrimento, com a Poesia, vira verso, e as lágrimas nada mais são do que as gotículas do grande mar interno que se faz eterno.

            A Poesia tem seu dia no mundo: o Dia Mundial da Poesia. Por isso, como se fosse costume, nada de mais, pare um pouco a rotina, saia do modo automático que lhe rege as últimas horas, os últimos dias, os últimos meses e os últimos anos: pare e pense no quanto a Poesia nos deve ajudar. A folha que um vento carrega pra longe da árvore só pode viver se tiver um bocado de sonho, uma velha varanda onde à noite pousar.


Olivaldo Júnior
Moji Guaçu, SP, vinte de março de 2012.
enviado por Zélia

21 de mar de 2012

Seja claro!

 
Diz a lenda que Rui Barbosa, ao chegar em casa um certo dia, ouviu um barulho estranho vindo do quintal. Chegando lá, constatou um ladrão tentando levar seus patos de criação.
Aproximou-se vagarosamente do indivíduo e, surpreendendo-o ao tentar pular o muro com seus amados patos, disse-lhe:
- Oh, bucéfalo anácrono! Não o interpelo pelo valor intrínseco dos bípedes palmípedes, mas sim pelo ato vil e sorrateiro de profanares o recôndito da minha habitação, levando meus ovíparos à sorrelfa e à
socapa. Se fazes isso por necessidade, transijo; mas se é para zombares da minha elevada prosopopéia de cidadão digno e honrado, dar-te-ei com minha bengala fosfórica bem no alto da tua sinagoga, e o farei com tal ímpeto que te reduzirei à qüinquagésima potência que o
vulgo denomina nada.
E o ladrão, confuso, pergunta:
- Dotô, eu levo ou deixo os pato?

18 de mar de 2012

De Volta

 

Hoje voltei ao lar de meu Pai
voltei para os braços Seus
e já não trago nada
pois que tudo deixei no caminho
e de nada mais adianta
de tudo com que a vida me serviu
um dia...

Chego só
de mãos leves e vazias
chego para não mais partir de meu lar
em um novo dia...

Abençoa-me meu Pai
que de nossa casa há muito tempo parti
como uma criança que pela rua avança
e para trás já não olha
e se esquece do caminho de volta...

Mas de ti não me esqueci
e na dor e na angústia
para Ti minha face ergui
por mim muitas lágrimas derramei
e também na gratidão de Ti me lembrei
e orei...

Mas hoje voltei aos teus braços
quero dormir em teu colo
como criança exausta
que pesadamente adormece
sem sonhos e sem medos.

No dia de meu acordar
quero olhar o mundo com os olhos cheios de amor
quero o mundo ver com os olhos de meu Pai
vou andar sobre a Terra sobre Tuas pegadas
vou agir com Tuas mãos
e em minha vontade serei Teu coração...
Minha mente se abre e se perde
e novamente se acha no infinito de amor e paz
que é a mente de meu Pai
mas nesta noite apenas durmo
sem amanhã
sem ontem
no Teu colo amoroso
pois que hoje durmo 
nos braços de Deus.

Ana Liliam

16 de mar de 2012

Uma vida de luxo, por Danusa Leão

 


É impossível viver sem ele; só que existem luxos e luxos.

Para a milionária Barbara Hutton, a herdeira mais rica dos Estados Unidos,
um deles foi mandar fabricar um Rolls-Royce em tamanho pequeno
para dar de presente a seu filho, então com 9 anos.
E, para motorista do carro, contratou um anão.
Será que ter dinheiro demais pira a cabeça das pessoas, elas nunca ficam satisfeitas?
Detalhe: depois de nove casamentos, Barbara Hutton morreu pobre.

Para não ser radical, admito que algum dinheiro sempre ajuda, mas não é tão fundamental assim.
Então vou falar de algumas coisas que são, para mim, o luxo dos luxos e que não custam quase nada.
Acordar num domingo de manhã sabendo que a faxineira não vem,
que todos os eletrodomésticos da casa estão funcionando e que, com a graça de Deus,
o telefone não vai tocar.
O dia será silencioso, e o único movimento na casa será o dos gatinhos (agora tenho mais dois)
correndo e se enrolando uns nos outros sem emitir um só som.
Um domingo assim é um luxo total.
Outra preciosidade é, depois de passar 20 dias sem comer carboidrato, nem unzinho,
pegar no armário aquela calça de 15 anos atrás, quando você era uma sílfide, e o zíper fechar.
A felicidade é maior do que se ganhasse um brilhante.
E quando você chega da rua, com um calor de matar, pega um copo (bonito, de preferência)
e toma uma água bem gelada, não é um luxo?
Se puser dentro de uma jarra (bonita, de preferência) cascas de limão-siciliano
e deixar na geladeira, vai ser a água mais fresquinha e perfumada que já tomou.
Não é um superluxo?
Aí você se refresca num chuveiro e depois vai para o quarto, liga o ar-condicionado
e se deita numa cama com lençóis brancos limpinhos, cheirosos. Tem luxo maior?
Dar um mergulho num mar azul, sem ondas, sem se preocupar com os cabelos, e depois tomar uma água de coco?
E então comer um peixe grelhado, temperado apenas com sal, limão e um fio de azeite.
Depois de passar por várias paixões sofridas e alguns casamentos errados, não estar apaixonada é um luxo.
Uma sexta-feira, às 7 da noite, você está sozinha, sem a angústia de esperar aquele telefonema.
Sente-se independente e decide sair.
Enquanto pinta o olho, começa a pensar em que restaurante vai sem ninguém para dizer que prefere outro.
Quando chega lá, toma dois drinques sabendo que é uma mulher livre e resolvida,
que não precisa de ninguém para uma coisa tão banal, que é jantar fora. Não é um luxo?
Bom demais é ter resistido à compra daquele vestido lindo,
que fez você ficar duas noites sem dormir pensando “compro ou não compro?”,
e passar pela loja uma semana depois, ver que ele está em liquidação, pela metade do preço,
e que você nem o quer mais.
E quando chega de uma reunião de trabalho com a cabeça quente, se sentindo um lixo,
e a empregada fez aquela sobremesa que você adora, não é como se o Universo estivesse todo a seu favor?
E o resultado do exame avisando que sua saúde está ótima?
E seu filho que telefona para dizer que está com saudades?
Percebo que misturei muitos luxos com momentos de felicidade; e existe luxo maior do que ser feliz?

14 de mar de 2012

O ESTRANHO



 

Alguns anos depois que nasci, meu pai conheceu um estranho, recém-chegado à nossa pequena cidade.  Desde o princípio, meu pai ficou fascinado com este encantador personagem, e em seguida o convidou a viver com nossa família. O estranho aceitou e desde então tem estado conosco.

Enquanto eu crescia, nunca perguntei sobre seu lugar em minha família; na minha mente jovem já tinha um lugar muito especial. Meus pais eram instrutores complementares: Minha mãe me ensinou o que era bom e o que era mau e meu pai me ensinou a obedecer.

Mas o estranho era nosso narrador. Mantinha-nos enfeitiçados por horas com aventuras, mistérios e comédias. Ele sempre tinha respostas para qualquer coisa que quiséssemos saber de política, história ou ciência. Conhecia tudo do passado, do presente e até podia predizer o futuro! Levou minha família ao primeiro jogo de futebol.  Fazia-me rir, e me fazia chorar.

O estranho nunca parava de falar, mas o meu pai não se importava. Às vezes, minha mãe se levantava cedo e calada, enquanto o resto de nós ficava escutando o que tinha que dizer, mas só ela ia à cozinha  para ter paz e tranquilidade. (Agora me pergunto se ela teria rezado alguma vez, para que o estranho fosse embora).

Meu pai dirigia nosso lar com certas convicções morais, mas o estranho nunca se sentia obrigado a honrá-las.


As blasfêmias, os palavrões, por exemplo, não eram permitidos em nossa casa… Nem por parte nossa, nem de nossos amigos ou de qualquer um que nos visitasse. Entretanto, nosso visitante de longo prazo, usava sem problemas sua linguagem inapropriada que às vezes queimava  meus ouvidos e que fazia meu pai se retorcer e minha mãe se ruborizar. 

Meu pai nunca nos deu permissão para tomar álcool. Mas o estranho nos animou a tentá-lo e a fazê-lo regularmente.  Fez com que o cigarro parecesse fresco e inofensivo, e que os charutos e os cachimbos fossem distinguidos.  Falava livremente (talvez demasiado) sobre sexo. Seus comentários eram às vezes evidentes, outras sugestivos, e geralmente vergonhosos.

Agora sei que meus conceitos sobre relações foram influenciados fortemente durante minha adolescência pelo estranho. Repetidas vezes o criticaram, mas ele nunca fez caso aos valores de meus pais, mesmo assim, permaneceu em nosso lar.

Passaram-se mais de cinquenta anos desde que o estranho veio para nossa família. Desde então mudou muito; já não é tão fascinante como era ao principio.  Não obstante, se hoje você pudesse entrar na guarida de meus pais, ainda o encontraria sentado em seu canto, esperando que alguém quisesse escutar suas conversas ou dedicar seu tempo livre a fazer-lhe companhia...

Seu nome? Nós o chamamos 'Televisor'...

Agora tem uma esposa que se chama 'Computador' e um filho que se chama 'Celular'!



Desconheço a autoria
 

12 de mar de 2012

A bênção mãe!


A bênção, mãe...
 - A mulher é a obra-prima de Deus.
 Mãe, filha, irmã, amiga e amante. 
Todas sublimes.
Josefa deu à luz!
 Severina pariu!
Maria concebeu Jesus!
 As sementes germinam:
no ventre a vida,
 no coração o amor,
no olhar a ternura e,
 na alma, a luz.
Todas sublimes,
 todas maternas
todas filhas de Maria.
A bênção, mãe! 
Mulher: 
 Mulher-menina,
 Mulher-amiga,
Mulher-briga (ou intriga), 
Mulher-amada (ou desejada),
Mulher-amor,
 Ah, o amor!
Amor-gostoso
Sem aval (ou endosso),
 Amor-verdade,
Amor-instinto,
Amor-paixão,
 Amor-amor,
Mulher-saudade. 
Maria... 
 O quadro pintado em preto e branco
não tinha o colorido da vida terrena
 e, sim, o negro da noite e o clarão do dia.
 Mas aquela mulher,
 com a criança nos braços,
 bem que poderia ser
a Virgem Maria...


desconheço a autoria, enviada por Jacinta

10 de mar de 2012

Na montanha

Eis que me vejo,
Como uma criança,
Braços abertos sobre a montanha,
Olhos fechados,
Meus pulmões sorvem o ar gelado...

Que desígnios tens para mim meu Pai?
Já não tenho medo,
Reconheço Tua luz em meus dias,
Espero Tua voz,
Teu silencioso chamado que me guia...

No entanto sei que nada sei,
Que do Teu seio vim,
E que sou pequena criança
Que a Teus pés engatinha...

Abro meus braços,
Quero voar sobre as brumas
Que a Terra encobrem,
Quero me lançar à Tua vontade,
Apreender de Teu hálito o amor,
Deixar de ser em Tua divina mente...

Quero ser centelha a brilhar em Tua Luz,
Descobrir-Te em mim,
Descobrir-me em Ti,

E da montanha que subi,
Das memórias que vivi,
Guardarei de lembranças
Tudo que aprendi,
Neste planeta azul sem fim...

Ana Liliam

9 de mar de 2012

O Céu de Meus Sonhos


O céu com que sonhei um dia,
Hoje não é mais fantasia,
Está tão próximo
Ao dia que se inicia.

O céu que se esconde atrás de cada olhar,
De quem ainda não aprendeu a se dar,
O céu que se guarda em cada mão,
De quem espera a hora de se entregar.

O céu que procuro está,
Presente na Luz do teu olhar.
O céu que procuro se faz,
Na obra de muitas mãos.

O céu de meus desejos
Faz-se presente em cada coração,
Espera a hora de despertar,
E anunciar uma nova aurora sobre a Terra.

Meu céu está em mim,
Está em ti, em todos nós!
Este luminoso céu
Aguarda ansioso o momento de raiar!

Ana Liliam

1 de mar de 2012

Canção das mulheres


 

Que o outro saiba quando estou com medo, e me tome nos braços sem fazer perguntas demais.

Que o outro note quando preciso de silêncio e não vá embora batendo a porta, mas entenda que não o amarei menos porque estou quieta.

Que o outro aceite que me preocupo com ele e não se irrite com minha solicitude, e se ela for excessiva saiba me dizer isso com delicadeza ou bom humor.

Que o outro perceba minha fragilidade e não ria de mim, nem se aproveite disso.

Que se eu faço uma bobagem o outro goste um pouco mais de mim, porque também preciso poder fazer tolices tantas vezes.

Que se estou apenas cansada o outro não pense logo que estou nervosa, ou doente, ou agressiva, nem diga que reclamo demais.

Que o outro sinta quanto me dói a idéia da perda, e ouse ficar comigo um pouco - em lugar de voltar logo à sua vida.

Que se estou numa fase ruim o outro seja meu cúmplice, mas sem fazer alarde nem dizendo ''Olha que estou tendo muita paciência com você!''

Que quando sem querer eu digo uma coisa bem inadequada diante de mais pessoas, o outro não me exponha nem me ridicularize.

Que se eventualmente perco a paciência, perco a graça e perco a compostura, o outro ainda assim me ache linda e me admire.

Que o outro não me considere sempre disponível, sempre necessariamente compreensiva, mas me aceite quando não estou podendo ser nada disso.

Que, finalmente, o outro entenda que mesmo se às vezes me esforço, não sou, nem devo ser, a mulher-maravilha, mas apenas uma pessoa:
vulnerável e forte, incapaz e gloriosa, assustada e audaciosa - uma mulher.

Lya Luft
Related Posts with Thumbnails